Pernas saudáveis

Doença Venosa Crónica: 6 sinais que não deve ignorar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Esteja atento às suas pernas e evite complicações da Doença Venosa Crónica.

Sabia que a sensação de pernas pesadas e inchadas pode ser mais do que cansaço? Na verdade, esta sensação pode constituir um sintoma de Doença Venosa Crónica (DVC), uma patologia que afeta as paredes e válvulas das veias das pernas e que dificulta a circulação do sangue para o coração.1

A evolução desta doença poderá conduzir a:

– Formação de varizes visíveis que, muitas vezes, se revelam dolorosas;

– Complicações incapacitantes, como edema e alterações tróficas com alterações na cor da pele.2

Sintomas comuns

Os sintomas mais comuns de Doença Venosa Crónica são2:

Sensação de pernas pesadas

Dor nas pernas

Sensação de pernas cansadas

Dormência nas pernas

Cãibras noturnas

Pernas e tornozelos inchados

Comichão

Geralmente, estes sintomas tornam-se mais intensos no final do dia e agravam-se com o calor, melhorando com a elevação e/ou descanso dos membros.2

Há ainda seis sinais visíveis das alterações venosas da DVC aos quais deve estar atento2:

Telangiectasias ou varizes reticulares

As telangiectasias, geralmente conhecidas como “derrames”, “raios”, “aranhas” ou “manchas”, são uma confluência de vénulas intradérmicas dilatadas, com menos de 1 mm de diâmetro. Varizes reticulares são veias subdérmicas azuladas e dilatadas, geralmente tortuosas com 1 a 3 mm de diâmetro.

Varizes tronculares

Também chamadas de “veias varicosas”, as varizes tronculares são veias subcutâneas dilatadas com 3 mm ou mais de diâmetro.

Edema venoso

Também chamadas de “veias varicosas”, as varizes tronculares são veias subcutâneas dilatadas com 3 mm ou mais de diâmetro.

Pigmentação e/ou eczema

A pigmentação manifesta-se por um escurecimento acastanhado da pele, que normalmente ocorre na região do tornozelo, embora se possa estender à perna ou ao pé. O eczema corresponde à dermatite eritematosa que pode evoluir para vesículas pruriginosas ou para erupções da pele em forma de escamas. Normalmente localiza-se junto das varizes, mas pode ocorrer em qualquer zona do membro inferior.

Lipodermatosclerose e/ou atrofia branca

Inflamação crónica e localizada, com fibrose da pele e dos tecidos subcutâneos, a atrofia branca caracteriza-se por uma área de tecido cutâneo atrófico, esbranquiçado, normalmente circular, rodeada por vasos capilares dilatados e, por vezes, por hiperpigmentação.

A Doença Venosa Crónica é uma doença evolutiva, pelo que um tratamento adequado e atempado é essencial para prevenir complicações.2 Se tem algum sinal ou sintoma de DVC, consulte o seu médico.3

DVC – Doença Venosa Crónica

Referências:
1 – Nutrition Guide for Clinicians. «Venous Insufficiency and Varicosities | Nutrition Guide for Clinicians». Disponível em: https://nutritionguide.pcrm.org/nutritionguide/view/Nutrition_Guide_for_Clinicians/1342038/all/ Venous_Insufficiency_and_Varicosities?refer=true. Acedido a 16 de março de 2021.
2 – Sociedade Portuguesa de Angiologia e Cirurgia Vascular (2011). «Recomendações no diagnóstico e tratamento da Doença Venosa Crónica».
3 – Revista Business Portugal (10 de Outubro de 2019). «Doença Venosa: Sente as pernas cansadas e pesadas? Consulte o seu médico – Entrevista a Dra. Joana Ferreira». Revista Business Portugal.